Como assim? Parece estranho, mas imagino que você conhece ao menos uma pessoa na sua vida que possui o comportamento que vou descrever agora. Indivíduos que vivem reclamando, são amargurados, em todas as oportunidades numa conversa falam algum aspecto negativo da vida, enfim, depositam todos os seus tormentos e insatisfações nos seus interlocutores.

Esse padrão de comportamento indica que a pessoa está apegada ao sofrimento. Por mais que outras pessoas sugiram possíveis alternativas para a resolução do problema, a tendência é que o apegado a esse sofrimento mantenha a recusa em sair do círculo de dor. Isso acontece porque o ato de sofrer produz um ganho secundário, mesmo que esse “ganho” não seja saudável.

O sofrimento se transforma em uma zona de conforto, um sentimento que o indivíduo conhece. Além disso, o sofredor usa de sua dor para obter atenção das pessoas ao seu redor. Com a finalidade, mesmo que inconsciente, de provocar pena, atenção e urgência no outro que ouve sua narrativa de martírio. Então, simplesmente para ter atenção e não efetivamente livrar-se do problema.

Mas com o tempo, as pessoas a sua volta já “esperam esse comportamento” e tendem a se afastar, fugir, evitar o reclamador assíduo. Fazendo com que a “reclamadora” se sinta verdadeiramente sem recursos para lidar com tal dor. Apegando-se cada vez mais a ela como sendo sua única verdade.

O apego ao sofrimento impede que a pessoa seja livre e mostre os melhores aspectos da sua personalidade. Também cria uma realidade falsa na cabeça do indivíduo, pois acaba se fechando em um mundo que aparentemente só ele sofre e possui problemas. Viver assim pode desencadear depressão e outros transtornos psicológicos.

 

Tome o controle da sua vida

Entenda, o sofrimento não tem mãos ou braços, portanto ele não pode te prender. Você deve tomar o controle da sua vida. Comece percebendo quantas vezes você reclama no dia e qual é a natureza dessas reclamações. Questione-se: esse problema está no seu controle? Como resolver? O que posso fazer?

Dessa forma, é válido pensar que tipo de ganho o sofrimento lhe traz. Certamente, não vale a pena viver com uma angústia constante em troca de uma proteção imaginária. Permita reorganizar seu conteúdo interno.

A hipnoterapia é um ótimo método para esses casos. A técnica vai ajudar a encontrar as raízes que fazem o indivíduo se apegar tão fortemente ao sofrimento. E a partir disso, podemos tratar essa crença destrutiva.

 

Compartilhar: