Com certeza você já ouviu falar sobre hipnose, certo? É natural termos contato com o assunto por meio de desenhos infantis ou mesmo programas de entretenimento que mostram um certo misticismo relacionado ao tema.

Mas hoje vamos falar sobre um tipo de hipnose bem diferente daquele estigma conhecido. Trataremos sobre a hipnoterapia, uma técnica terapêutica que usa a hipnose clínica para abordar conteúdos emocionais no inconsciente do paciente.

Primeiramente, é preciso entender o que realmente é a hipnose. Diferente do que é mostrado na televisão, tratamos essa técnica como uma indução guiada para alguns estados de consciência.

No momento do processo, é tido um aumento da sugestionabilidade (o paciente torna-se disposto a ouvir uma nova possibilidade e repensar sobre ela, por exemplo) e buscasse uma diminuição da vigilância interna e ambiental, ou seja, a pessoa ganha um novo foco mais voltado para suas sensações internas. Como resultado, há várias mudanças nas emoções, percepções, pensamentos e até comportamentos.

O estado de hipnose é atingido quando há recrutamento de processos cognitivos que funcionam na mediação do controle da atenção e execução. A imobilidade corporal costuma fazer parte do procedimento, mesmo não sendo uma regra.

Em muitas ocasiões é notada uma variação no grau de tônus muscular: o indivíduo pode sentir tensão ou relaxamento nos músculos. Também acontece ausência de reflexos.

Essas características podem ou não estar presentes em uma sessão de hipnose, dependendo de cada paciente. Todavia, desde que você esteja com alguém capacitado na área, fique tranquilo! Ela não tem como função gerar sensações desagradáveis ou provocar medos. Quem conduz a consulta conhece as técnicas usadas e abordagens que deverão ser feitas em cada caso.

O que é hipnoterapia?

A hipnoterapia é um método de tratamento para condições clínicas, onde o paciente “mergulha” em seu inconsciente com o propósito de auxiliar na recuperação. O subconsciente é acessado com o intuito de acessar possíveis eventos traumáticos do passado e ressignificar, com uma nova abordagem sobre o fato, mais madura e adaptativa, com o acompanhamento do profissional.

Sendo assim, a hipnoterapia não tem relação com a hipnose popularmente conhecida, tanto que apenas pessoas qualificadas podem exercer a prática junto a seus pacientes.

Muitos mitos cercam a hipnose, como “apenas pessoas fracas são hipnotizadas” ou “seus segredos serão descobertos”. Comentários tendenciosos como esses deslegitimam a área, tendo em vista que o profissional tem um compromisso ético com o paciente e preza pelo avanço no tratamento.

Hoje em dia podemos contar com mais pesquisas científicas sobre o tema, tanto que muitos estudiosos investigam a possibilidade de usar a hipnoterapia em outros campos além da psicologia, como na odontologia e medicina.

Em caso de dúvidas o recomendável é procurar por um especialista que possa esclarecer as questões. Infelizmente, há muito conteúdo falso nas redes sociais e páginas online, por isso é necessário redobrar a atenção.

Para que serve a hipnoterapia?

Essa técnica terapêutica pode ser usada unicamente no tratamento do paciente ou em conjunto com outras ações, como medicação e psicoterapia. Ambas as partes devem estar de acordo sobre os procedimentos.

É muito comum ver a hipnoterapia sendo usada para a reflexão de traumas do passado e buscar alternativas para tratá-los. Isso ocorre porque através da hipnose, o hipnoterapeuta tem acesso ao subconsciente da pessoa e aos sentimentos ligados ao caso.

Após a identificação, o profissional ajuda o paciente a confrontar as emoções passadas e abordá-las de uma maneira distinta no presente. Garantir a qualidade de vida do indivíduo é essencial para qualquer tipo de terapia.

Não há um perfil ideal para que se possa fazer uma sessão de hipnoterapia. O procedimento é aberto a todos e sempre há a possibilidade de experimentar novas intervenções.

Aplicações da hipnoterapia

Podemos encontrar a hipnoterapia como uma opção de tratamento em diversas condições clínicas: ansiedade, síndrome do pânico, fobias, quadros depressivos ou compulsivos, dependências etc.

Este recurso terapêutico também é utilizado e buscado para desenvolvimento pessoal e profissional, alta performance, mudanças de hábitos e auto hipnose.

Porém, como dito anteriormente, em alguns casos, a hipnoterapia entra como uma prática auxiliar. Os quadros de distúrbios mentais não são únicos e nem sempre apresentam os mesmos sintomas ou necessitam do mesmo tipo de intervenção.

O recomendado é receber o diagnóstico médico e informar-se sobre o melhor método para tratamento e cuidado.

Benefícios da hipnoterapia

A hipnoterapia possui muitos benefícios, sendo realizada sozinha ou em conjunto com outras abordagens psicoterapêuticas. Mas, antes de mais nada, você deve se sentir à vontade com o tratamento escolhido, para assim notar uma recuperação efetiva.

Podemos citar entre as principais vantagens a inexistência de efeitos colaterais, tendo em vista que não há necessidade de ingerir medicações durante a terapia ou depois da sessão (apenas se houver prescrição médica).

O autoconhecimento também é um dos grandes benefícios da hipnoterapia, justamente pela contribuição com o desenvolvimento pessoal de cada paciente.

Além desse contato consigo mesmo, há também um fortalecimento e amadurecimento das emoções, principalmente aquelas ligadas ao passado ou a eventos traumáticos.

Outro ponto positivo sobre a técnica é que os avanços na recuperação são rápidos, justamente pela conversa frequente com o hipnoterapeuta e o estado de acolhimento e desenvoltura de novas ideias do paciente.

A pessoa que busca esse tipo de terapia também pode aprender algumas técnicas, ensinadas pelo próprio hipnoterapeuta, para aplicar em si mesmo. A ideia serve como uma lição de casa e um incentivo ao indivíduo ficar engajado com o processo.

Vale ressaltar que isso não dá o conhecimento suficiente para hipnotizar outra pessoa, já que os efeitos podem ser adversos e alguém leigo no assunto não tem formação para conduzir uma sessão.

Por fim, a hipnoterapia é um campo em ascensão, tanto para pesquisas quanto para consultas. Assim como a psicologia tradicional, há muito o que ser descoberto e quais outras vantagens ela pode agregar à vida.

Fique atento ao seu bem-estar emocional e daqueles que estão à sua volta. Muitos distúrbios da mente dão sinais logo no início e na maioria das vezes é possível tratá-los facilmente.

Busque por ajuda sempre que necessário e não deixe de cuidar da sua saúde mental. Você não está sozinho!

Compartilhar: