Todos nós estamos sujeitos a sentir inseguranças e medos. O problema ocorre quando os indivíduos usam esses ou tantos motivos para se esconderem do mundo. E então surgem as clássicas desculpas. Quem reproduz esse comportamento acha que está protegido, porém é justamente o contrário.

Dessa forma, a vida fica estagnada. Por exemplo, a carreira não evolui, deixa de estudar para um vestibular ou prova final, e nem realiza aquela viagem sonhada por falta de programação. Como consequência, sentimentos de desânimo, angústia, culpa, desinteresse e frustração podem surgir, tornando-o mais suscetível a transtornos psicológicos como depressão e ansiedade.

Outro sintoma comum, embora prejudicial, é a procrastinação. Esse tipo de comportamento se caracteriza em adiar insistentemente uma ação, causando estresse, sensação de culpa e perda de produtividade. Junto com o transtorno de ansiedade, cria-se um padrão nocivo para a saúde mental.

O costume de inventar desculpas é algo psicológico e se encaixa no viés de conveniência. Para exemplificar: a pessoa passa uma noite estudando, se for bem na prova, ela aceita os créditos sem problemas. Porém, se o resultado for negativo, a tendência é culpar um agente externo, nesse caso um professor que dificultou a avaliação.

 

Conheça os tipos mais comuns de desculpas:

Mentiras: ao mentir, você quer mostrar que a situação estava fora do seu controle, portanto você ficou sem escolha.

Autossabotagem: quando sente seu ego ameaçado, é comum assumir a posição “não consigo/sei fazer isso”. Mas não há nenhum esforço para aprender a fazer a atividade; é melhor não realizar do que falhar.

Fugir da culpa: ao invés de reconhecer sua falta de aptidão, é mais fácil deixar um agente externo levar a culpa. Como o famoso “meu cachorro comeu a tarefa”.

 

Como fugir das desculpas?

É válido lembrar que inventar desculpas é um hábito, e hábitos podem ser abandonados. Uma prática danosa pode ser substituída por uma saudável. Dito isso, o primeiro passo é entender que as falhas fazem parte da vida. É um movimento natural tentar, errar, corrigir o erro e tentar de novo.

Faça essa pergunta e responda: por que criar tantas desculpas? Dependendo da resposta, pode ser o caso de procurar ajuda profissional com um psicólogo, pois não é benéfico usar suas falhas pessoais para justificar sua falta de ação. Ao compreender os motivos por tal comportamento, o indivíduo analisa suas responsabilidades e demandas cotidianas com o objetivo de encontrar soluções reais para os seus problemas.

Se você percebe que está cometendo esse tipo de ação, coloque essas soluções em prática. Desenvolva padrões comportamentais positivos que podem ser aplicados facilmente na sua vida. Aliás, pense em metas realistas. Planeje suas atividades dentro do tempo que tem disponível, não se esqueça de deixar um tempo para o descanso. Também reserve algumas horas por semana para aprender uma nova habilidade que possua interesse.

Por último, monitore seu progresso e comemore suas pequenas vitórias. Um plano adequado e saudável é único para você, assim não precisa comparar suas metas com as de outras pessoas.

A hipnoterapia pode ser uma grande aliada para que você interrompa esse hábito de só dar desculpas. A hipnose ajuda no processo de autoconhecimento, assim é possível identificar as causas desse comportamento, mudar padrões comportamentais prejudiciais e assumir o controle da sua vida.

Compartilhar: