A Síndrome do Impostor é uma condição que causa desordem psicológica. Embora não possua um código próprio na Classificação Internacional de Doenças (CID), o indivíduo com a síndrome acredita ser incompetente, uma fraude e que suas conquistas foram apenas um truque de sorte.

É um distúrbio que pode afetar todas as pessoas, independente de gênero ou idade. Abaixo, irei listar alguns sintomas da Síndrome do Impostor.

  1. Esforço excessivo: o paciente sente que precisa esforçar-se muito para conseguir atingir bons resultados e mesmo assim pode não ser suficiente quanto ao trabalho do colega. Esse perfeccionismo exacerbado causa intenso cansaço mental e pode desenvolver alguns incômodos físicos.
  2. Comparação: o paciente tende a se comparar muito e achar que seu trabalho é sempre inferior ao dos outros. Dessa forma, a pessoa sente-se angustiada e infeliz consigo mesma.
  3. Autossabotagem: nesse sintoma, o fracasso é o primeiro a aparecer. O indivíduo crê que como seu trabalho sempre é ruim, então prefere assumir que nada dará certo, assim não precisa se preocupar e entrega suas tarefas a alguém que julga ser mais experiente.
  4. Medo da exposição: por mais que a pessoa seja brilhante e tenha ótimas ideias, ele acredita que precisa evitar ao máximo ser avaliada ou criticada, portanto é mais desejável ficar em silêncio e deixar que outras pessoas tenham voz.
  5. Agradar as pessoas: o indivíduo busca de todas as formas agradar as pessoas e obter a aprovação dos outros. Essa característica provoca no indivíduo estresse, ansiedade e receio de que não será aceito de alguma forma.

É válido ressaltar que a Síndrome do Impostor é composta por crenças, e com os estímulos corretos, essas crenças podem ser reorganizadas. O indivíduo pode abrir espaço para procurar ajuda de um profissional, pois essa condição traz uma série de problemas e pode se agravar seriamente ao longo da vida.

Primeiramente, lembre-se de trabalhar sua inteligência emocional a fim de fortalecer sua autoestima e reduzir o máximo possível a inseguranças. A baixa autoestima combinada com a insegurança cria um ambiente fértil para a autodepreciação e a sensação de que não merece estar em determinado lugar.

 Como lidar com a Síndrome do Impostor?

A primeira recomendação é fazer psicoterapia. Durante as sessões, o paciente vai ser auxiliado a encontrar seu valor, reconhecer suas capacidades e assim se orgulhar de suas conquistas. Em paralelo, inclua alguns hábitos na sua vida como:

  • Praticar o autoconhecimento e se priorizar, dessa forma você não estabelece metas irrealistas e cobra coisas impossíveis de você mesmo.
  • Compreender seus defeitos e assumi-los, assim você pode corrigir o que for necessário com calma.
  • Analise os próprios pensamentos, de onde vieram, se são válidos, como começou a pensar a determinadas coisas.
  • Tenha alguém de confiança que possa te ajudar a revisar seus trabalhos de forma crítica, sincera e construtiva. Assim, você não precisa ficar receoso de ser inferiorizado e ainda aperfeiçoa seu próprio trabalho.
  • Falando em trabalhos, procure voltar aos que tiveram sucesso e reveja que você é capaz sim de produzir grandes feitos.
  • Por fim, pode também optar pela hipnoterapia, uma técnica mais direta e profunda, que investiga as causas que levam o paciente a desenvolver a Síndrome do Impostor. É um método que irá trabalhar diretamente com a crença do paciente se ser insuficiente. Devido a isso, ela é bem recomendada para esses casos.

 

Compartilhar: