É comum precisarmos listar qualidades e pontos fracos em entrevistas de emprego. Essa exigência pode ser respondida com facilidade se o objetivo for conseguir a vaga. Mas, e se precisasse responder a essa pergunta para si mesmo, você responderia com clareza e imparcialidade? Será que você se conhece de verdade?

Se ficou em dúvida, não se preocupe. Uma resposta sincera para isso vem com a prática do autoconhecimento. E praticar o olhar para dentro é algo que precisa de investimento de tempo e vontade.

 

O que é o autoconhecimento?

Quando falamos em conhecer a si mesmo, estamos nos referindo a aprender sobre a própria mente, sobre os próprios gostos, valores, saber inclusive o que pode ser melhorado em você. Porque assim como com aqueles à sua volta, é necessário ter um bom relacionamento consigo.

Isso é importante para a vida, pois faz com que você saiba no que investir para ser feliz e do que se afastar porque machuca ou faz mal. E o principal ensinamento de todos: você aprende a se autogerir, ou investir no que possa lhe fazer melhor. Note, se há algum comportamento seu que não lhe agrada, ou sentimentos que te prejudicam ao seguir pela vida, você pode traçar estratégias para lidar com eles.

 

Como olhar para dentro de si?

Conhecer a si mesmo é um exercício que exige análise e prática. A primeira coisa a fazer é simples: pensar sobre o próprio comportamento nos diferentes momentos da vida – no trabalho, nos relacionamentos, quando está sozinho ou planejando algo.

Tente perceber seu modo de ver o mundo. Analise se você tem algum comportamento de autossabotagem ou alguma crença limitante que te impede de fazer algo.

Se apenas refletir sobre si mesmo não for suficiente, exercite essa análise manualmente, ou seja, anote as respostas das perguntas mais profundas com sinceridade e empenho. Quais são seus pontos positivos, o que você gosta em você, qualidades, habilidades, dons? E o que não gosta? Quais defeitos ou pontos podem ser desenvolvidos na vida pessoal ou profissional?

Você pode estar se perguntando “e agora, o que faço com isso tudo que escrevi sobre mim?”. Talvez, possa fazer uma lista de objetivos e metas, verifique se todas estão de acordo com seus valores. Trace caminhos para alcançá-las e se monitore para não deixar que pensamentos como “não vou conseguir fazer tal coisa” ou “mas pode dar errado” te impeçam de realizar o plano.

 

Em ação

A partir do momento em que você entende a importância do autoconhecimento e passa a se estudar, é necessário colocar em prática o que aprendeu.

Se você identificou comportamentos negativos e que incomodam, não deixe mais que eles falem por você! Muitas vezes, não precisamos de inimigos externos de tanto que exigimos de nós mesmos!

Comece simplesmente abrindo espaço para que pensamentos mais positivos também façam parte do seu diálogo interior: “Eu posso fazer isso” e “Isso pode dar certo”, “Vou testar, experimentar “.

E, se sentir necessidade, abra espaço para um psicólogo ou um psicoterapeuta, eles podem te ajudar na jornada do olhar para dentro. A hipnoterapia é uma ferramenta terapêutica de autoconhecimento que atua na busca de equilíbrio da saúde emocional.

 

Compartilhar: